Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cancro

Eu sei que não é um titulo bonito. Ou melhor, não é uma palavra bonita. Mas por algum motivo, a palavra nunca me assustou. A palavra pesa sim mas não passa disso, é uma palavra, não é o nome que assusta, é o seu significado. Desde pequena que cresci com esta palavra no meu seio familiar. Cancro, quimioterapia, radioterapia. Eram termos ditos no meu dia-a-dia, infelizmente.

Hoje, com vinte e dois anos, falo do cancro como se me fosse meu conhecido. O cancro (e desculpem o palavreado) é um grande filho da mãe. O cancro roubou-me uma das pessoas mais importantes da minha vida. E como se não bastasse ainda veio tentar tirar-me outra. Tentar.

Hoje em dia, quando alguém partilha comigo que determinada pessoa está com cancro eu não sei como reagir. Ou melhor, a minha reacção já é natural. "Cancro? Onde? Está no inicio? Consegue fazer tratamentos?"

Eu não sei muito, sei apenas aquilo que vi enquanto cresci. E vi os dois lados da moeda. Vi o final feliz e vi o final triste.

Mas acima de tudo, vi luta. vi suor e lágrimas. vi determinação. Vi a luta em pessoa. Neste caso, em duas das pessoas mais importantes da minha vida.

Não é o cancro que assusta, é saber que depois dele pode ficar um grande vazio.

 

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D