Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sobre as praxes

Entrei na universidade em 2010. Já sabia o que me esperava em relação ás praxes. Uma das minhas irmãs já tinha concluído o seu percurso académico/vida académica. Fui com uma mente aberta sem qualquer pensamento negativo em relação às mesmas. Durante duas semanas inteiras o meu dia era dedicado aquela que iria ser a minha segunda casa e aquelas pessoas que iriam ser a minha segunda família. Durante o dia ouvi gritos. Sim ouvi muitos. Se me senti humilhada? Não. Assim como eu estava ali, sabia que há três anos atrás aquela pessoa que me estava agora a gritar tinha estado na mesma situação que eu. Que dali a três iria ser eu a ter os meus próprios caloiros. Fui praxada e praxei. Não fui humilhada e não humilhei. Tenho pena que nas noticias que vemos aí nunca mostrem as coisas boas das praxes. Porque as há. E muitas. Quando era caloira para além dos gritos e dos joelhos no chão, joguei ao "quem quer ser milionário", se eu quisesse responder, o carregar no botão era rebentar um ovo na cabeça do meu colega, e íamos trocando. (uau, que humilhação). Também tive direito a um escorrega de água/bowling em que eu era a bola e tinha de escorregar e os meus colegas eram pinos que tinham de cair. (uau, que humilhação). Também fiz uma viagem pelo pais, sem sair do sitio. Passei pelas praias do algarve e levei com areia (acucar amarelo), passei pela serra da estrela e levei com neve (farinha). (uau, que humilhação). Eu fui feliz durante essas duas semanas, não fiz o que não quis e se me tivesse sentido humilhada tinha sido a primeira a dizer "chega".

 

40120_453667021184_599041184_5357558_7605338_n.jpg

DSC08495.JPG

DSC08496.JPG

Foto 3.jpg

 Passado três anos, praxei. Não humilhei nem obriguei ninguém a fazer o quer que seja. Eu e a minha turma tratámos das praxes com toda a responsabilidade que ela exige. As praxes tratam sobretudo de acolher. Muitos estudantes vêm de fora, não conhecem ninguém, não conhecem a cidade. E é aí que nós, académicos, entramos. Para dar a conhecer, mostrarmos-nos disponíveis e ajudar sempre que for necessário. Nenhum caloiro meu foi sozinho para casa, uma única vez. Brincávamos? Sim. Mas acima de tudo, sentiamos-nos responsáveis por eles.

 

DSCF8680.JPG

DSCF8684.JPG

DSCF8795.JPG

DSCF8805.JPG

DSCF9009.JPGAcho que as praxes tem tudo para ser uma boa receção aos estudantes. Tenho pena que por culpa de uns não saberem praxar todos sofram as consequências. 

16 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D